aqui mora a poesia...

aqui mora a poesia...

Renuncia


Chora de manso e no íntimo... 
Procura curtir sem queixa o mal que te crucia: 
O mundo é sem piedade e até riria 
 da tua inconsolável amargura. 
Só a dor enobrece e é grande e é pura. 
Aprende a amá-la que a amarás um dia. 
Então ela será tua alegria, 
e será, ela só, tua ventura... 
A vida é vã como a sombra que passa... 
Sofre sereno e de alma sobranceira, 
sem um grito sequer, tua desgraça. 
Encerra em ti tua tristeza inteira. 
E pede humildemente a Deus 
que a faça tua doce e constante companheira...

Profundamente


Quando ontem adormeci 
Na noite de São João 
Havia alegria e rumor 
Vozes cantigas e risos 
Ao pé das fogueiras acesas. 
No meio da noite despertei 
Não ouvi mais vozes nem risos 
Apenas balões 
Passavam errantes 
Silenciosamente 
Apenas de vez em quando 
O ruído de um bonde 
Cortava o silêncio 
Como um túnel. 
Onde estavam os que há pouco 
Dançavam 
Cantavam 
E riam 
Ao pé das fogueiras acesas? 
- Estavam todos dormindo 
Estavam todos deitados 
Dormindo 
Profundamente. 
Quando eu tinha seis anos 
Não pude ver o fim da festa de São João 
Porque adormeci. 
Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo 
Minha avó 
Meu avô Totonio Rodrigues 
Tomásia Rosa 
Onde estão todos eles? 
- Estão todos dormindo 
Estão todos deitados 
Dormindo 
Profundamente.

Poética


Estou farto do lirismo comedido 
Do lirismo bem comportado 
Do lirismo funcionário público 
com livro de ponto expediente 
protocolo e manifestações 
de apreço ao Sr. diretor. 
Estou farto do lirismo que pára 
e vai averiguar no dicionário 
o cunho vernáculo de um vocábulo. 
Abaixo os puristas 
Todas as palavras sobretudo 
os barbarismos universais 
Todas as construções sobretudo 
as sintaxes de excepção 
Todos os ritmos sobretudo 
os inumeráveis 
Estou farto do lirismo namorador 
Político Raquítico Sifilítico 
De todo lirismo que capitula 
ao que quer que seja fora de si mesmo 
De resto não é lirismo 
Será contabilidade tabela de co-senos 
secretário do amante exemplar 
com cem modelos de cartas 
e as diferentes maneiras de agradar às mulheres, etc Quero antes o lirismo dos loucos 
O lirismo dos bêbedos 
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos 
O lirismo dos clowns de Shakespeare 
- Não quero mais saber do lirismo 
que não é libertação.

Poemeto erótico


Teu corpo é tudo o que brilha 
Teu corpo é tudo o que cheira 
Rosa, flor de laranjeira 
Teu corpo, claro e perfeito 
Teu corpo de maravilha 
Quero possuí-lo no leito 
estreito da redondilha 
Teu corpo, branco e macio 
É como um véu de noivado. 
Teu corpo é pomo doirado, 
Rosal queimado de estio 
Desfalecido em perfume 
Teu corpo é a brasa do lume
Teu corpo é chama 
E flameja como à tarde os horizontes 
É puro como nas fontes 
a água clara que serpeja, 
Que em cantigas se derrama, 
volúpia da água e da chama 
Teu corpo é tudo o que brilha, 
Teu corpo é tudo o que cheira. 
 A todo momento o vejo 
Teu corpo, a única ilha 
no oceano do meu desejo.